O Voo

O silêncio a tortura. Em uma manhã perfeitamente quente e azul, tudo está fora do lugar. São xícaras, pratos, roupas, sapatos, bolsas, cinzeiros e garrafas. A desordem remete ao que ela não vê por baixo das coisas. Como pássaros que ignoram as minhocas simplesmente por não terem fome. São levados pelo leve vento para longe sem se importar em lembrar o caminho de volta depois.

A paz machuca. Tanta paz assim é sinal de trevas mais além. Como se trevas fosse o caminho lógico da serenidade. Para cima, para baixo. Sentimentos rodopiam leves pelo ar quente e úmido. Ela tenta se concentrar mais uma vez. Esforço em vão. Fecha os olhos rezando pro momento não durar mais do que o necessário. “Desta vez vai dar certo” ela pensa. Resmunga e tenta de novo. Caramba!!

Falhou miseravelmente. Como todas as vezes antes disso. Não sabe se está bem ou se vai conseguir melhorar depois. Sente o nó na garganta e desmonta no chão sem forças, com as mãos vermelhas, quase roxas, sem sentir o sangue que se acumula nas palmas. Ali, parada, como criança sem conforto ou um filhote a respirar rapidamente na esperança de ser ouvido. Deixa-se levar pelo tempo. Maldito tempo que nos tranforma, mas jamais podemos retribuir.

Há alguns cortes em seus braços. Não foi de propósito, foi lavando o banheiro. Há cortes no calcanhar, sapatos novos. Há escoriações nas pernas, freiada inconsequente do motorista de ônibus. De novo, para a esquerda, para a direita. Pensamentos levados ao alto e transferidos para baixo. Ela é um passarinho aprendendo a voar. Aprendendo a ser levada pelo vento.

Por um momento ela para. Respira o cheiro de desinfetante que a cozinha exala. Enjoa-se do cheiro e levanta-se. Para novamente na pia. Refaz os movimentos. Com um último suspiro de coragem ela vai tentar novamente. É isso que faz dos fortes, fortes. O pássaro precisa se estatelar no chão pra alcançar voo. Filhotes precisam ferir e serem feridos para sobreviver. Essa é a evolução das espécies. Ela precisa evoluir. Ela precisa crescer.

Então, em um ímpeto ela chuta a solidão pra fora. Arranca com os olhos a tristeza do peito. Faz sumir o medo entre os dedos. Ela está pronta. Finalmente. Movimenta rapidamente os dedos e numa explosão de sentidos sem sentido algum, ela tenta mais uma vez. Não pensa se falhar. Não se importa se não der certo. Apenas tenta com todas as forças  e fúrias que ela possui.

E num desses golpes do destino…ela consegue. Ali, o doce triunfo. Tudo se esvai como água entre as mãos. Ela se sente amortecida pela vida. Ah, a vida! Doce e memorável vida. Nos ares, sentindo a liberdade do céu. Finalmente ela venceu a dura batalha.

Ela coloca o vidro de azeitonas de lado e continua a seguir cuidadosamente a receita da vovó. Apetitosa torta de frango que tanto queria a semana toda. Bom que não atrasou o almoço. Bom que não atrasou a vida.

Anúncios

Sobre Andreza

Jornalista, tradutora, escritora, sonhadora, dona de casa sem uma casa, irmã caçula e péssima em encontrar uma harmonia com teclados de configurações diferentes. Gosta de ler em demasia, mas a miopia não ajuda. Gosta de escrever com moderação, as palavras precisam ser digeridas.
Esse post foi publicado em Poesia e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s