A minha solidão

A minha solidão não é bruta
não derruba, não machuca, não destrói.

A minha solidão é fluída,
vem em ondas sorrateiras,
como um sorriso no cantinho da boca
que insiste em não sorrir.

A minha solidão é pacata,
como aquela dor com data e hora marcada,
a solidão do ônibus no último assento perto da janela.

A minha solidão é leve,
como o despertar de um sonho ruim,
o limiar do céu e da terra,
o horizonte do olhar e da lágrima.

A minha solidão não sangra,
não morde, não fere, não vive.
Ela é o deleite das estrelas
e o último prazer da reconciliação.

A minha solidão é vontade de viver fora de mim.

Anúncios

Sobre Andreza

Jornalista, tradutora, escritora, sonhadora, dona de casa sem uma casa, irmã caçula e péssima em encontrar uma harmonia com teclados de configurações diferentes. Gosta de ler em demasia, mas a miopia não ajuda. Gosta de escrever com moderação, as palavras precisam ser digeridas.
Esse post foi publicado em Desabafo, Poesia e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s