O calor e a fúria de Zeus

Zeus

Zeus

O calor me aborrece como uma gota de orvalho que seca pela manhã. Calor que gruda a pele, amolece o corpo e desfaz os pensamentos. A luz amarela-dourada que escorre pelos olhos gosmentos, pelos prédios sujos e pela fina camada de poluição nas ruas. Amanhece.

O amarelo diarréia que abominavelmente desliza pelos poros como veneno hepático. O dia corre como ondas mecânicas soluçando através dos tímpanos. Mais calor. Mais suor.

O cheiro de doença é transmitido pelas pessoas que insistem em não tomar banho de manhã. Como podem? Como tem coragem de se levantar contra a boa higiene e os bons costumes? Ricos e pobres não fazem diferença, a não ser pelo perfume mais ou menos doce que entra arranhando pelas narinas logo cedo. Em ambos, o cheiro é de catarro amarelo. O mesmo amarelo doença que cobre o dia. O mesmo amarelo manga que não reage às doenças da humanidade. Rezo pela chuva.

Eu ando pelas nuvens e admiro sua fúria. Ao entardecer, Zeus e todos os seus deuses clamam por justiça. Nem os deuses suportam a ideia de respirar esse mesmo ar pela noite adentro. Zeus se prepara para lançar raios produzidos pelos Ciclopes. Reúne em uma única nuvem prateada sua ira contra a humanidade amarelada e escarrada. As nuvens tremem. As nuvens choram.

Por fim, lágrimas dos céus caem longamente. A água limpa o amarelo ferida do ambiente. Agora é a pálida luz azul cinzenta que cobre os prédios como uma figura de enfermeira pedindo por silêncio. Sobram-se metáforas para acolher a pálida vida que escorre pelos bueiros. Não é mais doença, é cura. Forte, autoritária e soberba. Zeus finge se acalmar. Quem disse à Prometeu que o fogo dos céus seria benéfico para o mundo?

Eu rio e volto a dormir tranqüila. Amanhã, eu terei que conversar com Zeus novamente.

Anúncios

Sobre Andreza

Jornalista, tradutora, escritora, sonhadora, dona de casa sem uma casa, irmã caçula e péssima em encontrar uma harmonia com teclados de configurações diferentes. Gosta de ler em demasia, mas a miopia não ajuda. Gosta de escrever com moderação, as palavras precisam ser digeridas.
Esse post foi publicado em Desabafo, Uncategorized e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s